SANTOS DUMONT - Fotografias Históricas

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

SANTOS DUMONT - Fotografias Históricas

Mensagem por cineas em Dom 3 Jan - 9:53:50


ALBERTO SANTOS DUMONT
FOTOGRAFIAS HISTÓRICAS
Complementando as imagens mostradas na página "Fotos oficiais", as seguintes foram seleçionadas entre enorme número de fotos cedidas pelo pesquisador e historiador Emmanoel Rodrigues, especialista na vida e obra de Santos Dumont, na maioria à ele fornecidas por Henrique Lins de Barros em setembro de 2005. Entre as 643 fotos disponíveis somente por meio dessa fonte, escolhemos as mais significativas em cada grupo de mesmo tema.
O BALÃO BRASIL

Depois de muitos vôos em balões já disponíveis em Paris,
Santos Dumont fez sua primeira ascensão no balão Brasil, por
ele construído, voando tranquilamente no dia 4 de julho de 1898.

OS DIRIGÍVEIS
Imediatamente após os primeiros vôos com o balão Brasil, Santos Dumont começa cultivar a idéia de construir um balão cilíndrico e lhe adaptar um motor para "enfrentar" o vento e manter a dirigibilidade, iniciando projetos, construções e vôos com grande série de balões dirigíveis, dando à eles numeração seqüencial. Alguns estão a seguir mostrados.
Já com mais de 100 vôos em balões esféricos sobre Paris, no dia 18 de setembro de 1898, três meses após sua ascensão no balão Brasil, Santos Dumont testou o seu balão dirigível nº 1. Em 11 de maio de 1899 voou com o Nº 2.

O número 3, que voou pela primeira vez no dia 13 de novembro de 1899.
Em agosto de 1900 voou diversas vezes com o Nº 4, com o qual inovou radicalmente, eliminando a cesta de vime e adaptando um acento, no estilo do selim de bicicleta. "A cesta era muita pesada e um luxo desnecessário", argumentava.
Em 1901, com o dirigível número 5, no dia 08 de agosto de 1901 mais uma vez tenta contornar a Torre Eiffel. Sob tempo desfavorável e com imprevista perda de hidrogênio acabou...

... caindo sobre o Hotel Trocadero, em acidente grave e quase fatal.
(Imagem publicada pela revista "Caros Amigos", em edição
de julho de 2006, especialmente dedicada à Santos Dumont.)


O nº 5, momentos antes da queda sobre o Hotel Trocadero.
(Imagem publicada pela revista "Caros Amigos", em edição
de julho de 2006, especialmente dedicada à Santos Dumont.)


Voando com o mesmo número 5.


O número 6 - Em 19 de setembro de 1901 voou em teste com o dirigível
nº 6 e mais uma vez a fatalidade originou acidente, danificando
sua aeronave. Em poucos dias recuperou-a e voltou à voar.


Em 19 de outubro, apesar de contratempos que retardaram seu vôo,
com o mesmo nº 6 contornou a Torre Eifeel e retornou à sua base dentro
de tempo estabelecido, ganhando o prêmio Deutsch, na época
prometido para o primeiro que realizasse essa façanha.
Ao mesmo tempo que usava o nº 6 iniciou a construção do nº 7, este com potência triplicada, adaptando um motor de 45 HP, e já projetava o nº 9. Supersticioso, acreditava que o número 8 não lhe era favorável na sorte, razão de não existir dirigível com tal numeração.

O número 9, batizado como "Baladeuse", um dos menores que construiu,
foi idealizado e construído para ser um "carro aéreo" e voou conforme
projetado. Com ele descia em locais públicos, como restaurantes,
lojas e lanchonetes, visitava amigos e ia com freqüência ao clube,
onde deixava com os porteiros as "rédeas" do seu "corcel alado".
Voava sobre as casas de Paris, quase resvalando sobre seus telhados.


O número 9, "Baladeuse", aqui mostrando o vôo
realizado por Aida Costa, a primeira mulher a voar
no comando de um "mais leve que o ar".


O "Baladeuse", nº 9, em um de seus vôos.
(Imagem publicada pela revista "Caros Amigos", em edição
de julho de 2006, especialmente dedicada à Santos Dumont.)


Ainda o número 9 .


O número 9 exibido em praça pública.
Em novo projeto Santos Dumont pretendia, com o Nº 10, carregar 10 pessoas. Entretanto, essa aeronave nunca ascendeu com mais de uma.
O PRIMEIRO HIDROAVIÃO
O N º 11 foi construído como um monoplano com flutuadores, porém tinha pouca estabilidade. Ao rebocá-lo com uma lancha, quase não ergueu-se da água. Desenhos dessa época mostram que Santos Dumont esperava transformá-lo num aeroplano com propulsores duplos, mas desistiu do projeto em função da pouca estabilidade.




Imagem do hidroplano publicada pela revista "Caros Amigos", em
edição de julho de 2006, especialmente dedicada à Santos Dumont.
Não teve sucesso com o projeto do Nº 12, um helicóptero de dois propulsores. A tarefa de projetar um motor adequado para esse equipamento, ao mesmo tempo mais leve e mais potente, estava muito aquém dos conhecimentos de engenharia da época.
Retornou então às aeronaves, desenhando o Nº 13, descrito por ele como "um grande iate aéreo", combinando o uso do hidrogênio com o de ar quente. Em razão da perigosa combinação acabou desistindo do projeto, que poderia facilmente transformar a aeronave numa bola de fogo.

Número 14: em agosto de 1905 terminou uma nova e grande aeronave,
a nº 14, testando-a fora de Paris, sobrevoando a praia, evoluindo a favor
e contra o vento com controle igual ao das suas aeronaves pequenas.
O tamanho avantajado fez com que imaginassem o nº 14 como um
rebocador aéreo, e não como uma aeronave desportiva, e assim
foi usado logo em seguida, dando nome e rebocando o famoso 14 Bis.

O 14 BIS

O dirigível nº 14 em preparativos para rebocar o 14 Bis em vôo de teste.


Algumas das muitas imagens do 14 Bis.
(Imagens publicadas pela revista "Caros Amigos", em edição
de julho de 2006, especialmente dedicada à Santos Dumont.)


O rebocador nº 14 e o 14 Bis dentro do hangar.


O 14-Bis foi o primeiro, e talvez o único, aeroplano em que
o piloto tinha que permanecer o tempo todo em pé.







Em 27 de março de 1907 tentando decolar com o nº 15, ao correr sobre o solo desequilibrou-se e uma das asas tocou o terreno, acidentando-a e deixando-o ferido, embora sem gravidade. Abandonou esse projeto. O nº 16 também era uma aeronave com asas, mas em junho de 1907 o aparelho igualmente avariou-se, ainda no solo. O nº 17, bi-plano no projeto, jamais foi construído. O nº 18, um hidroplano, flutuou sobre o Sena mas nunca decolou. Refletindo sobre os últimos fracassos, decidiu voltar aos projetos de aeronaves pequenas.

Antecedendo o famoso Demoiselle, construiu a aeronave nº 19,
bastante pequena, mas voltou a se acidentar e abandonou esse projeto.

O NÚMERO 20 - DEMOISELLE
Em março de 1909 Santos Dumont mostrou ao público a aeronave nº 20. Seu formato gracioso e aparência leve, mostrando a elegância de uma libélula, inspirou o apelido de Demoiselle ("Libélula" ou "Senhorita"). Foi o primeiro avião desportivo do mundo. Durante o verão de 1909 ele voou todos os dias com o Demoiselle.



O Demoiselle sendo transportado em um dos carros de Santos Dumont.


O Demoiselle durante um de seus vôos.
(Imagem publicada pela revista "Caros Amigos", em edição
de julho de 2006, especialmente dedicada à Santos Dumont.)


IMAGENS DIVERSAS

Sempre elegante, Santos Dumont..
.
(Imagem publicada pela revista "Caros Amigos", em edição
de julho de 2006, especialmente dedicada à Santos Dumont.)


... ditava moda na época dos seus vôos.
(Imagens publicadas pela revista "Caros Amigos", em edição
de julho de 2006, especialmente dedicada à Santos Dumont.)







Um dos hangares usados por Santos Dumont.


A estação da fazenda Cabangu, no município de Palmira, MG,
terra natal do inventor, que hoje chama-se Santos Dumont".
(Imagem publicada pela revista "Manchete", em edição
de outubro de 1997, especialmente dedicada Aeronáutica.)


Objetos pessoais do Pai da Aviação, expostos em museu.
(Imagem publicada pela revista "Manchete", em edição
de outubro de 1997, especialmente dedicada Aeronáutica.)


A família Santos Dumont.


Os pais de Santos Dumont.
(Imagem colorizada publicada pela revista "Manchete", em
edição de outubro de 1997, especialmente dedicada Aeronáutica.)


O jovem Santos Dumont, em foto de 1892.


Colorizadas, duas das fotos perpetuadas na história do
Pai da Aviação: pose com os trajes costumeiros e voando no 14 Bis.

(Imagens publicadas pela revista "Manchete", em edição
de outubro de 1997, especialmente dedicada Aeronáutica.)


Foto de 12 de maio de 1902.


Santos Dumont entre o público, em 1913.


No centro, Santos
Dumont com autoridades civis e militares,
em 17 de dezembro de 1928.

RELÓGIO DE PULSO

(Imagem publicada pela revista "Caros Amigos", em edição
de julho de 2006, especialmente dedicada à Santos Dumont.)

O mito do relógio de pulso: com as mãos sempre ocupadas com as inúmeras cordas e controles do dirigível, Santos Dumont sempre teve problemas e dificuldades para retirar o relógio do bolso e conferir as horas e tempos de vôo. Um dia, entre 1903 e 1904, solicitou ao seu amigo Louis Cartier que desenhasse um relógio adequado à aeronáutica. Com sua orientação, Cartier construiu um relógio com mostrador quadrado e pulseiras de couro, que lhe foi adaptado ao pulso. Dai a afirmação de que Santos Dumont criou o primeiro relógio de pulso do mundo. Entretanto, alguns historiadores afirmam que tal uso data do ano de 1500, quando a rainha Elizabeth I já usava um dessa forma, que tornou-se peça rara nos anos seguintes, e por isso pouco conhecido. Também há relatos de uso semelhante por militares, durante as batalhas. Mas, sem dúvida, Santos Dumont foi o responsável pela sua intensa divulgação, transformando o fato em moda, na época, quando os homens elegantes imediatamente passaram a ostentá-lo.

Tentando demonstrar aos amigos a sensação que experimentava
"nas alturas", construiu mesas e cadeiras altas,
para servir refeições aos seus convidados.

(Imagem publicada pela revista "Caros Amigos", em edição
de julho de 2006, especialmente dedicada à Santos Dumont.)

DESENHOS E PROJETOS DE SANTOS DUMONT












Agradecimentos aos Senhores Emanuel Rodrigues e Henrique Lins de Barros pelo material cedido.
Paulo Dirceu Dias
Sorocaba - SP
avatar
cineas
Admin

Mensagens : 1633
Data de inscrição : 15/04/2009
Idade : 50

Ver perfil do usuário http://cineastv.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum